HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin

Últimas notícias

latest
Continua abaixo do anúncio
Butique-das-utilidades

Julho tem o menor número de crimes contra a vida em 21 anos no DF

Levantamento da Secretaria de Segurança Pública também mostra quedas expressivas no comparativo com o primeiro semestre de 2019 Operações es...

Levantamento da Secretaria de Segurança Pública também mostra quedas expressivas no comparativo com o primeiro semestre de 2019

Operações especiais ganham reforço e passam a ser executadas com maior frequência | Foto: Divulgação/SSP

O esforço conjunto das forças de segurança para combater a criminalidade no Distrito Federal, mesmo no cenário de pandemia, tem refletido de maneira positiva nos índices aferidos, quando em comparação com o mesmo período de 2020.

Dados da Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP) mostram que os crimes violentos letais intencionais (CVLIs), que agrupam homicídio, latrocínio e lesão corporal seguida de morte, atingiram a menor marca em 21 anos: 27 vítimas. Não houve, em julho, registros de latrocínio e lesão corporal seguidos de morte.

Já o número de vítimas de homicídio do mês passado é o menor desde 2002, quando foram registrados 26 casos – apenas um a menos que este ano. No acumulado dos primeiros sete meses, a redução dos homicídios foi de 9,5% em relação ao mesmo período de 2019 –  de 246 para 223.  Já no último mês, a redução desse crime foi de 6,8%, no comparativo com julho do ano passado.

Queda progressiva

A queda no número de crimes contra a vida vem se pronunciando desde 2019, que, no consolidado, obteve a menor taxa de homicídios dos últimos 35 anos. De acordo com o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, esses índices conquistados até agora são consequência do trabalho de inteligência, cruzamento de dados estatísticos, integração entre as forças e planejamento tático.

“Nosso objetivo principal é preservar vidas”, afirma o secretário. “Para isso, estabelecemos metas e avaliamos os resultados todos os meses. Isso nos traz sempre novos desafios, pois temos que superar sempre nossos próprios índices. Em agosto do ano passado, por exemplo, tivemos um número baixo de homicídios; e, para manter a queda, temos que ser ainda melhores este ano. Com a autonomia e apoio que o governador Ibaneis Rocha vem nos dando, vamos conseguir continuar melhorando.”

Menos estupros, roubos e furtos

Nos primeiros sete meses deste ano e também na análise específica do mês de julho, todos os seis crimes contra o patrimônio (CCPs), monitorados de forma prioritária pela SSP, apresentaram quedas expressivas.  No acumulado de janeiro a julho, os CPPs caíram 25,6%, quando comparados ao mesmo período do ano passado. A redução representa 6.705 roubos e furtos a menos no DF.

Dos crimes analisados, o roubo em transporte coletivo foi o que mais caiu no acumulado e no mês. Nos sete meses, a queda foi de 33,7%   –  de 931 para 617 casos, este ano. Em julho, a redução foi ainda maior, 66%:  de 191, em 2019, para 65, no mês passado.

Ainda no comparativo entre julho de 2019 e julho deste ano, também houve queda nos roubos a transeunte (31,8 %), de veículos (44,1%), em comércio (32,4%) e em residências (11,4%). Igualmente os furtos em veículos caíram, registrando uma redução de 38,4%.

Os estupros também marcaram queda nos últimos sete meses, com 21,2% de redução em relação ao mesmo período de 2019. No ano passado, foram 391 crimes, contra 308, este ano.

Operações frequentes

No último fim de semana, a SSP iniciou uma série de operações integradas por todo o DF, como parte de um pacote de ações estratégicas da pasta para manter o índice de redução de crimes violentos contra a vida, conquistados desde o ano passado. Samambaia e Ceilândia foram o foco.

“Faremos operações todos os finais de semana intercalando entre a Quinto Mandamento [operação que faz referência ao mandamento bíblico “Não matarás”] e a Vita Salutem, que já vinha sendo realizada no mesmo formato, de forma integrada, mas com foco em crimes cometidos nas imediações de estabelecimentos comerciais”, afirma o secretário de Segurança Pública. “As duas ações são complementares e têm caráter permanente.”

Com informações da SSP

Nenhum comentário