Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin

Últimas notícias

latest

Armazém dos móveis

Banner-armaz-m-dos-m-veis

Vídeo: Relação de Flávio com caso Covaxin deve ser investigada, diz Renan

Em entrevista ao Metrópoles, senador diz que fatos que ligam o 01 e advogados à vacina indiana estão sob investigação A CPI da Pandemia es...

Em entrevista ao Metrópoles, senador diz que fatos que ligam o 01 e advogados à vacina indiana estão sob investigação

A CPI da Pandemia está investigando o envolvimento de Flávio Bolsonaro no caso Covaxin, esquema que pode ter envolvido a promessa de propina para a compra pelo Ministério da Saúde de uma vacina indiana. A revelação foi feita por Renan Calheiros, relator da CPI, em entrevista em vídeo nessa quarta-feira (7/7) ao Metrópoles (assista à íntegra ao fim deste texto), quando explicou que estão sob investigação fatos sobre a participação do filho mais velho do presidente da República e de dois advogados na negociação de imunizantes: Willer Tomaz, próximo a diversos políticos do centrão e amigo de Flávio Bolsonaro, e Frederick Wassef, um dos integrantes da defesa de Flávio e também seu amigo.

Questionado por que perguntou sobre Willer e Wassef a Luis Miranda, há duas semanas, no depoimento do deputado do DEM-DF, Renan afirmou que o fez porque tem o conhecimento de fatos que lhe despertaram suspeitas sobre uma possível atuação ilegal dos dois.

“O relator tem acesso a aspectos variados da investigação. E eu, como relator, fico obrigado a toda vez que há dúvida sobre o envolvimento de alguém, ou sobre uma relação indecorosa de alguém com seja lá com quem for, você tem que perguntar”, disse, sendo indagado na sequência qual seria a suspeita da relação dos dois advogados com o caso Covaxin: “Não posso antecipar fatos, mas eu queria te dizer que nós estamos investigando e vamos continuar investigando, sim”, disse.

O Metrópoles perguntou, então, se Flávio Bolsonaro também era investigado. Respondeu Renan: “Também, da mesma forma, né? Alguns aspectos precisam ser investigados (…) Eu estou compromissado com essa investigação, seja em qual direção ela puder caminhar”.

Na sequência, diante de nova insistência do Metrópoles sobre que fatos seriam esses, Renan voltou a dizer que não detalharia mais quais fatos tem conhecimento, mas apontou o que já considera a confissão de um crime por parte de Flávio Bolsonaro:

“O Flávio, por exemplo, numa intervenção na própria Comissão Parlamentar de Inquérito, confessou que teria levado o dono da Precisa (laboratório que intermediava a compra da vacina indiana) ao BNDES, né? Isso é a confissão de um crime. Advocacia administrativa (quando um servidor defende interesses particulares no órgão em que trabalha). Isso não é competência de um senador da República. Levar um driblador da lisura e do dinheiro público (Francisco Maximiano, dono da Precisa) a um banco oficial para obter empréstimos não é correto do ponto de vista da atribuição de um senador. Isso foi uma confissão”.

Renan Calheiros disse ainda que Flávio não é formalmente investigado porque a condição de investigado só ocorre “na medida em que você vai tendo conhecimento dos fatos e das provas e dos indícios”.

Renan também comentou sobre o quão perto as suspeitas de corrupção na compra das vacinas estão de Bolsonaro. Segundo o relator da CPI, as digitais do presidente estão presentes nas negociações da Covaxin devido ao tratamento diferenciado que o imunizante indiano recebeu. “No dia 8 de janeiro, enquanto ele recusava as vacinas do Butantan, da OMS e da Pfizer, ele pedia ao primeiro ministro da Índia a preferência para comprar vinte milhões de doses da Covaxin”, pontuou.

Por Guilherme Amado - Caio Barbieri - Metrópoles
(Colaboraram Gabriella Furquim, Bruna Lima e Eduardo Barretto)

Nenhum comentário