Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin
Banner-DFlash

Últimas notícias

latest

Armazém dos móveis

Banner-armaz-m-dos-m-veis

Irmão de Wilson Witzel é preso por posse ilegal de arma durante operação em Jundiaí

Douglas Renê Witzel é sargento da Polícia Militar e um dos alvos da Operação Rebote, deflagrada pelo Ministério Publico Estadual e pela Corr...

Douglas Renê Witzel é sargento da Polícia Militar e um dos alvos da Operação Rebote, deflagrada pelo Ministério Publico Estadual e pela Corregedoria da PM. Na casa dele foram encontrados armas e munições.

Irmão de Wilson Witzel é preso por posse ilegal de arma durante operação em Jundiaí — Foto: Luis Xiru/TV TEM

O sargento da Polícia Militar Douglas Renê Witzel, irmão do governador afastado do Rio de Janeiro Wilson Witzel, foi preso na manhã desta quinta-feira (22), em Jundiaí (SP), por posse ilegal de arma.

Ele é um dos alvos da Operação Rebote, deflagrada pelo Ministério Publico Estadual e pela Corregedoria da PM. O sargento Witzel foi levado para a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí e, em seguida, transferido para o Presídio Militar Romão Gomes, na capital paulista.

De acordo com o boletim de ocorrência, havia um mandado de busca e apreensão, expedido pela Justiça Militar, em desfavor de Douglas após uma investigação ter identificado o envolvimento de policiais militares em furtos de caixas eletrônicos. O superior hierárquico desses PMs era Douglas.
Foto: Luis Xiru/TV TEM

Quando os policiais chegaram ao local da realização das buscas nesta quinta, foram atendidos pelo próprio sargento. Dentro da residência dele foi encontrado um revólver calibre 38, com a numeração raspada e municiado com seis cartuchos intactos.

Também foram localizados um simulacro de pistola, uma munição íntegra calibre 32 e dezenas de cartuchos deflagrados, de calibres 380, 38 e 40. A arma e as munições estavam em um guarda-roupas, no qual também estavam guardadas as coisas da PM a ele pertencentes.

Douglas alegou que não sabia que o revólver estava no local e que a arma seria do sogro dele, já falecido. Ele foi levado para a delegacia, juntamente com a arma, as munições, o simulacro e os demais cartuchos deflagrados, que foram apreendidos.
Wilson e Douglas Witzel — Foto: Facebook/Reprodução

Na unidade policial, o sargento foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo de uso proibido, uma vez que, apesar de ser de calibre permitido, o revólver estava com a numeração suprimida, o que torna o armamento de uso proibido.

Além do irmão do governador afastado, outros dois policiais foram presos. No entanto, eles foram ouvidos na delegacia e liberados.

"A instituição esclarece que operações dessa natureza são decorrentes do objetivo institucional de depuração interna, mantendo o efetivo da Polícia Militar dentro das linhas da legalidade e da disciplina que norteiam a corporação", disse a PM em nota.
Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí (SP) — Foto: Google Maps/Reprodução

Operação Rebote

O Ministério Público e o Batalhão de Ações Especiais da Polícia Militar (Baep) cumpriram, nesta manhã, mandados de prisão e de busca e apreensão contra o crime organizado e o tráfico de drogas em pelo menos oito cidades de São Paulo. A força-tarefa investiga a atuação de uma facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios paulistas.

No total, foram expedidos pela Justiça 18 mandados de prisão e 24 de busca e apreensão. Na região de Campinas (SP), foram cumpridas ordens em Itapira (SP), Mogi-Mirim (SP), Mogi Guaçu (SP), Estiva Gerbi (SP), Valinhos (SP) e Indaiatuba (SP). Além dos municípios, a Promotoria e a Polícia Militar também fizeram diligências em Várzea Paulista (SP) e Jundiaí.

A operação recebeu o nome de Rebote por ter tido como origem a investigação de integrantes que permaneceram no crime organizado após a Operação Macuco ter sido deflagrada, em agosto do ano passado. Na ocasião, 44 pessoas foram presas, sendo 15 em flagrante. Nas duas fases, a Macuco resultou em ações contra 29 réus.

De acordo com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público, as investigações começaram em setembro de 2020 e apontaram que a maioria dos investigados ocupava funções de liderança regional e estadual na facção e no tráfico de drogas das respectivas cidades.
Policiais aprenderam grande quantidade de dinheiro durante operação contra crime organizado — Foto: Polícia Militar/Divulgação

Já pela Corregedoria da Polícia Militar, houve expedição de dois mandados de prisão para policiais militares e 13 de busca e apreensão, na região de Jundiaí. Segundo o Gaeco, foi possível identificar o envolvimento de PMs em crimes de furtos de caixas eletrônicos.

Na região de Jundiaí, a operação apreendeu armas, drogas, cerca de R$ 60 mil em dinheiro, celulares, eletrônicos, diversos objetos e documentos que serão usados na investigação.

Agora o Ministério Público tem 30 dias para encerrar as investigações, ouvindo os suspeitos e examinando os materiais apreendidos para apresentar a denúncia à Justiça.

Os investigados podem responder por crimes de organização criminosa, tráfico de drogas, associação para o tráfico, homicídio e ocultação de cadáver.
Equipes também apreenderam armas, drogas, celulares e documentos — Foto: Baep e Gaeco/Divulgação

Por Isabela Leite e Ana Paula Yabiku, Globonews e G1 Sorocaba e Jundiaí

Nenhum comentário