HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin
Banner-DFlash

Últimas notícias

latest
Banner-armaz-m-dos-m-veis

Número de pacientes com covid-19 na fila de espera por UTI começa a cair, diz GDF

Semana passada havia 342 pessoas na fila, ontem esse número era de 288; também houve redução na morte de pessoas acima de 80 anos    Em entr...

Semana passada havia 342 pessoas na fila, ontem esse número era de 288; também houve redução na morte de pessoas acima de 80 anos   


Em entrevista coletiva para tratar de assuntos relacionados às ações do Governo do Distrito Federal (GDF), nesta quinta-feira (25/3), o secretário da Casa Civil Gustavo Rocha, disse que o número de pacientes com covid-19 na fila de espera por um leito de UTI na rede pública começou a cair. De acordo com Rocha, dias atrás havia 342 pessoas nesta fila, ontem, esse número caiu para 288. Também tem caído, segundo o secretário, a taxa de transmissão do vírus, que está abaixo de 1, em 0.95.

“À luz dessas informações, o governador Ibaneis Rocha pretende fazer uma abertura gradual das atividades econômicas a partir da próxima segunda-feira. Mas hoje ainda é quinta-feira. Se houver uma mudança brusca no cenário, o governador pode tomar outra medida”, ressaltou Rocha.

Se houve redução por um lado, também houve aumento por outro, que foi com relação aos crescentes casos de jovens contaminados em razão de uma nova cepa do coronavírus, a variante encontrada no Reino Unido, a Sars-CoV-2, que, segundo o secretário de Saúde do DF, Osnei Okumoto, tem o poder de infectar as pessoas mais jovens.

Okumoto também ressaltou que os óbitos com pessoas mais velhas estão tendo redução. Um levantamento feito pela SES-DF mostrou que os óbitos registrados ano passado e em março deste ano por faixa etária entre pessoas com mais de 80 anos, mostram que 27,7% desse público morreram em 2020. 
“Quando a gente migra para março de 2021 tivemos uma redução de 32,5% de óbitos nessa faixa etária [de 80 anos]. Também tivemos uma redução de mortes entre pessoas de 70 a 79 anos enquanto os óbitos cresceram 243,4% entre pessoas de 30 a 39 anos”, explica Okumoto. 
 
Por redação Estrutural on-line

Nenhum comentário