HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin
GIF-300-MEGA

Últimas notícias

latest

Vila Planalto volta a ter uma escola pública e agora nova

Erguido provisoriamente há mais de 30 anos, prédio foi condenado e demolido em 2013. Com aplicação de 7,9 mi, o GDF vai entregar um novinho ...

Erguido provisoriamente há mais de 30 anos, prédio foi condenado e demolido em 2013. Com aplicação de 7,9 mi, o GDF vai entregar um novinho em folha


A comunidade da Vila Planalto finalmente terá sua escola de volta. E melhor: moderna, segura e novinha. Construído há mais de 30 anos para ser provisório, o Centro de Ensino Fundamental 01 (CEF 01) da foi usado até o prédio ser condenado e demolido, em 2013. Foram investidos 7,9 milhões na reconstrução e agora vai devolver a unidade para mais de 360 estudantes que, desde aquela época, são deslocados para outros colégios. A reinauguração é considerada um marco histórico.

A diarista Ana Maria da Silva, 39 anos, é só orgulho. “É uma honra ver essa escola erguida. E é a mais bonita de todo o Distrito Federal”, garante. Ela mora há 20 anos na região e estudou ali. Assim como os três filhos, anos depois.

“Era horrível, muito precário, com risco de choque, alagamento com toda chuva. Era de dar medo. Foi uma luta para derrubar e uma lenda para construir. Para mim é um orgulho grande ver a escola devolvida para a nossa comunidade”, diz.

Agora ela espera que o neto, que ainda tem seis meses de vida, possa estudar ali, perto de casa, na Avenida Pacheco Fernandes. “Todo lugar tem uma escola e a gente passou muito tempo sem nenhuma. É histórico para todos da nossa cidade ter o colégio de volta”, opina. Estima-se que na região vivam 18 mil pessoas.

Tudo novo 

A obra teve o custo total de R$ 7.959.618,69, sendo que o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) financiou R$ 7.1 milhões e o Distrito Federal investiu R$ 796.136,04. Para a reconstrução, foram criados 200 empregos, diretos e indiretos. Agora, o prédio tem espaço para música, laboratórios de ciências, informática, auditório, biblioteca e quadra poliesportiva.

Ao todo, são 12 salas de aula, com capacidade entre 30 e 33 alunos cada, o que dá mais de 360 vagas. Isso significa que vai atender os alunos que foram remanejados para o Ensino Fundamental da 315 Sul. Até antes da pandemia, os alunos eram levados de transporte escolar até as unidades.

Toda a nova estrutura da escola está adaptada para pessoas com deficiência: piso tátil, rampas de acesso, bebedouros e banheiros separados. Segundo o engenheiro responsável pela obra, Marden Frederico Tomas da Silva, as pias e maçanetas dos banheiros foram planejadas para melhorar o acesso e mobilidade de quem precisa de condições especiais.

Do lado de fora, ainda tem estacionamento para 35 veículos. Além disso, o novo sistema hídrico é autossustentável, permitindo reutilizar cerca de 800 mil litros de água. Hoje, a escola está pronta para receber os alunos quando as aulas presenciais puderem ser retomadas com segurança.

“É com orgulho que chegamos à reta final da obra. É um resgate histórico para a Secretaria de Educação e, sobretudo, para a comunidade, que vê atendida uma de suas mais antigas reivindicações”, afirma o titular da pasta, Leandro Cruz. “Tivemos um ano difícil, por força do isolamento social, mas as obras continuam. Quando nossos professores e estudantes retornarem às salas de aula, irão encontrar uma infraestrutura muito melhor e, sem dúvida, este é um aspecto que também contribui para o rendimento escolar”, emenda.

Coordenadora regional do Plano Piloto, Edilene Abreu classifica a nova unidade como um ganho. “O Plano Piloto tem pouca área para construção de escolas. As que temos são antigas, apesar de estruturas boas. O CEF 01 da Vila Planalto é um ganho não só para a comunidade, mas para todo o Plano Piloto”.

“O CEF 1 da Vila Planalto era a única escola pública da vila. Há quase 10 anos as crianças se deslocam para outras localidades para estudar. Sua reconstrução é um resgate da história e da dignidade da comunidade, que volta a contar com o equipamento de educação que atenderá as crianças da vila e suas famílias”, valoriza a administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

POR JÉSSICA ANTUNES E ROSI ARAÚJO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA  | EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

Nenhum comentário