Estrutural On Line
Faltará água nesta segunda-feira (11/12) na Estrutural.
Galeria Estrutural on line
Cyber Evolution
Na tarde deste domingo (10/12), policiais militares foram acionados para atuar em uma ocorrência de estupro de vulnerável.

O crime ocorreu no Setor Santa Luzia na Cidade Estrutural, e a vítima foi uma criança de 3 anos de idade, quando os policiais chegaram no local, encontraram populares cercando a casa com os ânimos bastante alterado tentando linchar o acusado, após a polícia adentrar no quintal, encontrou um homem de 47 anos de idade com uma faca na mão e ensanguentado.

No momento que ele viu os policiais, largou a faca e se entregou. O mesmo foi retirado do local com muita dificuldade pelos policiais, pois a comunidade estava revoltada, ele foi levado à 1 DP e autuado em flagrante por estupro de vulnerável.

A mãe da menina contou para os policiais que sua filha disse que o preso teria pegado no seu órgão genital e passado a língua.

Estrutural on-line.
Por: Francisco Gelielçon
Nos dias 09 e 10 de dezembro a cidade Estrutural mais uma vez deu exemplo em um mega evento que envolveu centenas de milhares de pessoas da cidade Estrutural e do DF.

Já faz 11 anos que a primeira festa do milho ocorreu na cidade, o Pastor Clóvis Junior responsável pela Igreja de Nova Vida foi o idealizador de trazer para Estrutural.

A festa do milho é um evento gospel onde conta com varias denominações e já faz parte da vida dos moradores, vários cantores da própria cidade e cantores conhecidos nacionalmente puderam entoar louvores durante toda à noite.

Os dois últimos eventos que ocorreram houve a Marcha Para Jesus, dessa vez o Movimento Farol, ficou responsável pelos louvores e "puxar" o trio elétrico pelas ruas da cidade estrutural.

Esse ano teve uma novidade, um concurso chamado "Bom de Bíblia" disponibilizou premiações em dinheiro para os três primeiros colocados que respondessem corretamente mais questões referente à Bíblia Sagrada.

Policiais do 15º BPM (Batalhão de Polícia Militar) deram todo o apoio necessário na Marcha Para Jesus, não houve nenhuma ocorrência.



Por: Francisco Gelielçon
Estrutural on-line

Tribunal de Contas determinou suspensão das obras, iniciadas em julho. Segundo Corte, empreendimento não deveria ter sequer começado

Após um início tortuoso, as obras para a construção de três viadutos na Via Estrutural pareciam ter começado a seguir em frente. Iniciadas em julho, depois de um impasse entre o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) e o Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), apenas 10% do empreendimento foram concluídos. No mês passado, no entanto, veio outro revés: pela segunda vez, a empreitada foi suspensa pela Corte de Contas, e não há previsão de quando será retomada.
Enquanto a questão judicial não se resolve, as máquinas continuam paradas, e a população é quem mais sofre. Na quinta-feira (7/12), uma pessoa foi atropelada na Via Estrutural, bem em frente ao Batalhão de Policiamento Rodoviário. A Secretaria de Saúde do Distrito Federal afirmou não poder informar o estado de saúde da vítima. O local é um dos que deve receber uma passarela, segundo previsão da Secretaria de Mobilidade (Semob).
De acordo com a pasta, a partir do momento em que forem retomadas, as obras devem ser concluídas em 120 dias. No ano passado, conforme dados do Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF), 127 pessoas morreram atropeladas na capital federal.
O imbróglio que envolve a construção das passarelas teve início em abril deste ano, depois de a Secretaria de Mobilidade ter fechado contrato no valor de R$ 6,8 milhões com a empresa Engemil Engenharia para a realização dos serviços. Os recursos foram repassados ao Executivo local por meio de um acordo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).
No mesmo mês, a empresa AJL Engenharia, segunda colocada na concorrência, levou representação ao TCDF, alegando irregularidades no compromisso firmado entre a Semob e a Engemil.
Em 18 de abril, o Tribunal de Contas do Distrito Federal considerou parcialmente procedente a representação da companhia e determinou a anulação do contrato. Segundo o TCDF, a habilitação da Engemil para o serviço é irregular, já que a empresa não apresentou atestados comprovando capacidade técnica para a realização do empreendimento.
“Quanto ao argumento da Semob e da Engemil de que a proposta de menor valor significaria economicidade e vantajosidade para a administração, faz-se necessário frisar que o conceito de proposta mais vantajosa […] é mais abrangente do que o fator preço, sendo necessário haver aderência da proposta com os termos editalícios”, afirma o relator do processo na Corte de Contas, conselheiro Inácio Magalhães Filho.
TJDFT
No dia seguinte, a empresa vencedora do certame acionou o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), questionando a anulação do contrato, e conseguiu um mandado de segurança que suspendia a determinação do TCDF.
Em julho, as obras então tiveram início. Segundo a Semob, naquele mês, o TJDFT expediu ofício informando que as intervenções poderiam prosseguir. O projeto inicial, o qual previa a construção de duas passarelas na Via Estrutural e uma na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia), foi modificado e, por conta da demanda, as três travessias começaram a ser construídas na Estrutural.
A realização dos viadutos, no entanto, foi mais uma vez suspensa no mês passado. No dia 16 de novembro, o TCDF concedeu medida cautelar determinando à Semob “a imediata cessação de qualquer ato concernente à continuidade do Contrato nº 08/2016-Semob-DF” até que houvesse nova deliberação da Corte sobre o caso.
Nova suspensão
Na determinação, o Tribunal de Contas faz referência a uma decisão de maio que suspendeu a anulação do contrato, mas definiu a interrupção de qualquer movimentação da obra até análise do mérito da questão.
Ao deferir a cautelar no mês passado, a Corte optou somente analisar o caso após o TJDFT julgar o mandado de segurança que também trata do contrato. O tema foi colocado na pauta do Conselho Especial do Tribunal de Justiça no dia 19 de dezembro.
A versão da Semob, entretanto, é diferente. Segundo a pasta, as construções agora suspensas só foram iniciadas após a liberação do empreendimento pelo TJDFT, em julho. A secretaria afirmou que por conta da determinação de novembro do TCDF, a qual ordenou a suspensão da empreitada, as obras foram novamente suspensas. Por fim, o órgão disse que pretende ajuizar recurso contra a decisão da Corte de Contas.
O Tribunal de Contas por, sua vez, afirma que, mesmo com a decisão do TJDFT, o projeto não foi liberado: “não houve, no Processo n° 229/2017, autorização do TCDF para continuidade da execução do contrato entre a Semob e a empresa vencedora do certame, em virtude de irregularidades detectadas”. Ao Metrópoles, a Corte listou os andamentos do processo.
Confira:
No dia 10 de janeiro de 2017, a presidência do TCDF, em decisão liminar, determinou à Semob que, até ulterior deliberação plenária, se abstivesse de celebrar o contrato decorrente da Licitação Pública Internacional n° 001/2015. A liminar foi referendada pelo plenário do TCDF, por unanimidade, no dia 17 de janeiro.
Ao examinar o mérito da representação da empresa AJL, no dia 18 de abril de 2017, o Tribunal considerou-a parcialmente procedente e determinou à Semob providências para anular o contrato decorrente da licitação, em razão das irregularidades e ilegalidades identificadas no certame, em ofensa aos princípios da vinculação ao instrumento convocatório e do julgamento objetivo, expressões do princípio constitucional da isonomia.
No dia 24 de abril, o TCDF recebeu o Ofício nº 20.672/SCEM, do Tribunal de Justiça do DF e Territórios, informando decisão liminar proferida pela desembargadora Carmelita Brasil, a qual suspendeu os efeitos da Decisão Liminar n° 010/2017 – P/AT, posteriormente referendada pelo plenário do TCDF por meio da Decisão Plenária n° 26/2017.
Quatro dias após esse ofício do TJDFT, no dia 28 de abril, houve um pedido de reexame, interposto no TCDF pela empresa vencedora da referida licitação, e então o Tribunal, no dia 4 de maio, concedeu efeito suspensivo à determinação de anulação do contrato. Porém, a Corte alertou à Semob de que o efeito suspensivo não autorizava a continuidade do contrato.
Após isso, o Processo n° 229/2017 foi sobrestado, ou seja, teve seu andamento paralisado, em 5 de setembro, até o desfecho do mérito da ação de mandado de segurança interposta no âmbito do Tribunal de Justiça do DF.
Após o sobrestamento do processo, deu entrada no TCDF nova representação da empresa AJL, apontando possível descumprimento, pela Semob, do alerta que foi feito pelo Tribunal na Decisão n° 2.082/2017, relativo à não autorização da continuidade do Contrato n° 08/2016.
Em virtude disso, no último dia 16 de novembro, o TCDF deferiu medida cautelar, determinando a imediata cessação de qualquer ato concernente a continuidade do Contrato nº 08/2016-Semob. A decisão manteve o sobrestamento do processo até a decisão definitiva de mérito do MS n.º 2017.00.2.011119-8 pelo TJDFT.
Escrito por: PEDRO ALVES
Fonte: Metrópoles
Essa madrugada (06/ 12)  por volta de 00h30m, o GTOP 35 fazia patrulha pela cidade Estrutural quando, no conjunto 1 da quadra 10 SCIA, um homem foi detido quando tentou fugir.
Os policiais conseguiram detê-lo e após uma busca de informações na central da polícia, foi constatado que a moto era roubada e  estava com o chassi raspado.
A ocorrência foi registrada na 1ª Delegacia de Polícia.
Participaram da ocorrência: Cabos Márci, Nilo, soldado Arbués,  sargento Edvan Barbosa, cabos Santiago, Laender e o soldado Paulo Roberto. 

Por: Francisco Gelielcon
Estrutural on-line
A 11ª festa do milho será realizada nos dias 09 e 10 de Dezembro na praça central em frente a administração regional da Estrutural, no primeiro dia de festa será realizado uma ação social a partir das 9h  durante o dia inteiro, vários cantores regionais e da própria cidade se apresentarão a partir das 18h e você vai poder saborear as comidas mais gostosas derivada do milho.

No dia da Bíblia (10/12), às 8h, o povo cristão irá se concentrar na  praça central para iniciar  a “Marcha Pra Jesus Estrutural coordenada pelo Movimento Farol.

O evento é uma  realização: INVEST, Movimento Farol e Conselho de Pastores.

A web rádio Exalte ao Senhor, blog Estrutural on-line e o jornal Fogo Cruzado irá cobrir todo o evento.

Não perca essa grande festa !

Apoio: Conselho Tutelar, Conselho de Cultura,  Administração Regional,  Estrutural On-line  e Jornal Fogo Cruzado.

Por: Francisco Gelielcon
Web rádio Exalte ao Senhor e Estrutural on-line
O Servidor Público Jaime Tavares, vai tomar posse como presidente do PR, da 9° zonal da Estrutural/Guará, neste sábado (2), de dezembro de 2017, as 09h00.
A Solenidade será na Estrutural, no SOSF, Qd 01 Conjunto 10 lotes  de 11 a 13, e conta com a presença da bancada do partido, os deputados distritais Agaciel Maia, Bispo Renato de Andrade, e do deputado federal Laerte Bessa.
Está confirmada a presenças dos responsaves do partido no DF,  Alexandre Bispo, e Salvador Bispo,  alem dos nomes fortes do partido como Flávia Arruda, mulher do ex. governador de Brasília, José Roberto Arruda, e ex-deputado federal Jofran Frejat, e ex-candidato ao GDF, em 2014.
Frejat e Flávia Arruda conseguiram na eleição de 2014, 649,587 votos, Frejat é um dos nomes mais lembrado pelos Brasilenses para 2018, não se sabe se ele será candidato a governador ou senador. 
Fonte: A politica e o poder
Hoje em dia é comum ver pessoas ficando famosas nas redes sociais, mostrando seus talentos e trabalhos, neste universo tão competitivo, principalmente no ramo de maquiagens, são vários  famosos, e famosos que ganham a vida assim, antes anônima, hoje conhecida mundialmente graças às redes sociais.

É o caso da maquiadora Bruna Rodrigues Leal de Brasília, seguindo este caminho, dando palestras para pessoas que queira aprender o verdadeiro segredo de maquiar.
É comum ver crítica nas redes sociais de pessoas que não acertaram na maquiagem e serve de chacotas após uma balada

É comum ver apresentadores e consultores de moda em programas de TVs, Rádios, e Revistas criticando maquiagens usadas de forma incorreta por várias personalidades nacional e internacional.

Profissão não é querer, é ter vocação e dedicação para não errar no que faz, diz Bruna Leal, que concedeu uma entrevista no mês passado para uma emissora de Rádio na Cidade Estrutural, para o Radialista Evandro Batista, e o Jornalista Edvaldo Campos, ambos ligados ao grupo do Jornal Fogo Cruzado DF, falando da importância de andar sempre maquiada, aonde atingiu uma excelente audiência nos emissores da família Campos.

Se você deseja contratar os serviços da maquiadora Bruna Leal, entre em contato (61) 9 8123-4750, ou pelas redes sociais da maquiadora, confira o https://www.facebook.com/brunaleal.leal?ref=br_rslink
Nair Queiroz, nasceu em 27 de janeiro, filha mais velha de uma família de sete filhos, cuja matriarca, Angelina Pereira de Matos, mulher visionária que compartilhava sua pequena propriedade com as crianças carentes do Varjão, ajudando as mães vizinhas que precisavam trabalhar.

Após o falecimento de sua mãe em 1996, Nair Queiroz empenhou-se a seguir o seu legado, continuando a sua missão e fundando o Centro Social Comunitário Tia Angelina. Atualmente, mantém unidades de atendimento em várias regiões administrativas do Distrito Federal, dentre elas, Varjão, Paranoá, Brazlândia, Estrutural, Ceilândia e Samambaia. Também trabalha com projetos sociais no Itapoã, Fercal e Sol Nascente. Atende, em média, mais de cinco mil famílias.

Nair Queiroz é Pedagoga e pós-graduada em Gestão Pedagógica e Empresarial. Fundadora e Diretora Geral do Centro Social Comunitário Tia Angelina. Defensora da inclusão social, tem uma trajetória profissional como gestora social marcada por sua reconhecida liderança comunitária em setores prioritários da educação, assistência social, capacitação institucional, empoderamento de mulheres e etnias e lutas raciais. Nair vem apoiando e desenvolvendo projetos humanitários com impacto na áreas de sustentabilidade e desenvolvimento social, proteção e promoção dos direitos humanos.

Tia Nair, como é carinhosamente reconhecida, tem uma trajetória de luta contínua na perspectiva de erguer a bandeira da “Primeira Infância”, de fortalecer o Terceiro Setor e sua execução nas ações e projetos que fazem a diferença para criar laços e parcerias, realizar feitos louváveis em comunidades desfavorecidas do DF, provocando e mobilizando a genuína solidariedade social do voluntariado.
Fonte: Amigos da Tia Nair
https://politicahojeweb.wordpress.com/
Ontem (21/11) aconteceu no CREAS (Centro de Referencia Especializado de Assistência Social), mais uma reunião do conselho comunitário de segurança da cidade Estrutural, compareceram alguns representantes dos principais órgãos de segurança do Distrito Federal, PMDF, bombeiros, batalhão escolar, AGEFIS, polícia civil e o administrador da Estrutural Melquisedeque Portela.

Os moradores e líderes comunitário puderam expor suas demandas ou até mesmo elogios.

Foi falado sobre o valor de R$ 20.000.000,00 (Vinte Milhões de Reais) para a construção do 15° BPM mas não foi confirmado se esse dinheiro está liberado ou não.

Por: Francisco Gelielçon
Estrutural On-line.
Nessa madrugada (21/11) mais precisamente a 1h, o grupo tatico operacional 35 (GTOP 35) fazia patrulhamento na cidade Estrutural quando avistaram um indivíduo na esquina, ao perceber a presença da policia empreendeu fuga deixando uma mochila para trás com 10kg de maconha, entrou em uma casa na quadra 02 conjunto 10 do setor leste, o mesmo foi alcançado e revistado e nada mais foi encontrado, mas dentro da mochila ainda havia 1 balança de precisão, 2 facas, chaves e documentos pessoais.

Ele foi levado à 1° DP para o registro do flagrante.

Participaram da ocorrência:

GTOP 35 ALPHA
SGT Edvan Barbosa
CB Santiago Fagundes
CB Laender
SD Paulo Roberto

GTOP 35 BRAVO
SGT Nilson Rocha
CB Marcio
CB Nilo
SD Arbues

Por: Francisco Gelielcon
Estrutural on-line.
Policiais militares do Grupo Tático Operacional do 15º Batalhão (Gtop 35) apreenderam um revólver calibre 38 que estava escondido dentro de um mercado no Setor Oeste da Cidade Estrutural. Por volta das 20h30 deste sábado (18/11), os policiais avistaram um suspeito que correu para o estabelecimento e dispensou a arma de fogo.
O suspeito conseguiu fugir, porém a equipe do Gtop 35 fez uma varredura no interior do mercado e encontrou a arma com duas munições intactas. O revólver calibre 38 foi encaminhado à 1ª DP, onde foi feito o auto de apreensão.
Participaram da ocorrência os cabos Ribeiro e Fernando Melo e o soldado Catarino.

Escrito por Fabio Evangelista
Fonte: PMDF
A menos de 20 quilômetros do centro político brasileiro, a Chácara Santa Luzia é a favela da invasão. Ela surgiu ao redor da Cidade Estrutural, às margens do maior lixão da América Latina, e chega cada vez mais perto da área de proteção da Floresta Nacional de Brasília (Flona). A população vulnerável cresce, apesar dos perigos de desastre. Agora, o Governo de Brasília trabalha em um projeto habitacional para mantê-los ali, mas esbarra em falta de recursos.

Ordens judiciais e tentativas de desocupação não são raras, mas a efetividade é quase nula. Mais de 2,5 mil famílias em situação de vulnerabilidade vivem na chamada “zona de amortecimento” da Flona, área que corresponde aos 300 metros de distância dos limites da reserva que não podem ser ocupados.

“Em vez de um muro de concreto protegendo o Parque, nossa proposta é um muro de pessoas”, diz Gilson Paranhos, presidente da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab).

O Jornal de Brasília obteve, com exclusividade, detalhes do projeto. A ideia é construir um conjunto de mais de três quilômetros de prédios de três andares de lajes sobrepostas. Serão áreas vazias e sem divisão, com saída independente para a rua, contornando e bloqueando todo o acesso à área protegida.

“Os radicais mandam tirar as pessoas de lá e colocar em outro lugar, mas isso não soluciona o problema. É ilusão querer tirar as pessoas de lá. Jamais a população de baixa renda vai sair dali. A maneira de ficarem é com um projeto de um lote em cima do outro. Não dar solução é uma aberração para a capital federal”, afirma Paranhos.

A população beneficiada deve fazer, do espaço vazio, sua moradia. “Não podemos fazer a casa, o custo é muito alto. Vamos fazer com que cada unidade custe cerca de R$ 30 mil, em um modelo parecido com Minha Casa, Minha Vida. Os beneficiários pagarão ao longo de muitos anos. É interesse do governo resolver o problema de Santa Luzia”, diz Paranhos.

O tamanho dos “lotes” deve variar conforme necessidade das famílias. Segundo o presidente da Codhab, será oferecido acompanhamento técnico de equipe de arquitetos a todos os moradores.

Discussões conduzidas em sigilo

Líder comunitário, José Rodrigues, 53 anos, acredita que a obra pode levar melhorias à população. “A área é muito carente. Ter um lugar seguro vai ser bom”, diz. Para ele, é natural que se tenha que pagar pela moradia. Paulo Batista dos Santos, do Conselho Comunitário da Estrutural, acompanha reuniões do projeto. “Eu torço para dar certo. Não tenho dúvida de que a população vai se beneficiar. Se o governo apresentar estudos de viabilidade, apoiaremos”, garante.

A discussão ocorre em segredo há mais de um ano, com reuniões entre Secretaria de Segurança, Agência de Fiscalização e Ibram. O projeto arquitetônico está pronto e o executivo, em andamento. Houve sondagens de terreno e estudo de gases na área. Neste mês, os últimos laudos devem ser entregues ao instituto ambiental, que emitirá ou não licenças para construção do protótipo para elaboração da licitação. Para o presidente da Codhab, não há problema técnico em construir sobre a área de lixão.

Ponto de vista

“O projeto precisa de um criterioso processo de planejamento e avaliação. Muitas vezes, no afã de resolver um problema, o governo pode criar outro”, opina José Mathias-Pereira, especialista em gestão pública e professor da Universidade de Brasília (UnB). Ele considera louvável a intenção de atender a população vulnerável, mas aponta a necessidade de estudos de impacto, inclusive, na qualidade de vida das pessoas.
A expectativa é que, após a aprovação, seja lançada licitação para o início das obras. A estimativa inicial é que toda a construção custe em torno de R$ 75 milhões. A execução, diz Paranhos, é rápida: com sistema de pré- moldados, mais de uma empresa pode tocar a construção.

Paranhos admite que não há, hoje, dotação orçamentária para tirar o projeto do papel, mas diz que espera recursos. Opções para isso são emendas parlamentares ou empréstimos. No mês passado, por exemplo, a Câmara Legislativa autorizou o GDF a pegar cerca de R$ 130 milhões com organismos internacionais para projetos ambientais.

No projeto, há previsão de instalação de um sistema de transporte aéreo por cabo, como um teleférico ou bonde, com pontos de parada para circulação de pessoas. O cálculo estrutural dos prédios já considera a implementação, mas ainda passa por estudos. No site do Jornal de Brasília você encontra um vídeo exclusivo da previsão em 3D.

A região da Chácara Santa Luzia foi elencada pela Defesa Civil como principal área de risco do DF. Ali, onde o chão é de terra, a energia improvisada e o lixo vizinho, há perigo de desabamento, inundação, escorregamento, incêndio e eletrocussão.

Fonte:Jornal de Brasília

Alguns vídeos do canal no YouTube