Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin

Últimas notícias

latest

Campanha de proibição das sacolas plásticas durará 90 dias, sem multas

Portaria com as regras sobre os procedimentos para fiscalização está publicada no Diário Oficial do DF desta segunda-feira (15/8)


Imagem de Anja-pray por Pixabay / Grátis para uso comercial / Atribuição não requerida

A Secretaria de Proteção da Ordem Urbanística do Distrito Federal (DF Legal) publicou portaria no Diário Oficial do DF (DODF) com os procedimentos e a competência para fiscalização da distribuição ou venda de sacolas plásticas na capital da República.

De acordo com o texto, a fiscalização ocorrerá mediante programa fiscal específico, estabelecido pela DF Legal, em três fases: campanha educativa e orientativa; aplicação de advertência; e demais sanções legais. O prazo para o cumprimento da campanha educativa será de 90 dias, a partir desta segunda-feira (15/8).

Os infratores poderão sofrer advertência, multa simples, multa diária, apreensão e inutilização do produto e sanções restritivas ao direito, como suspensão ou cancelamento de registro, licença ou autorização; perda ou restrição de incentivos e benefícios fiscais; perda ou suspensão da participação em linhas de financiamento em estabelecimentos oficiais de crédito; e proibição de contratar com a Administração Pública, pelo período de até três anos.

Regulamentação

O Governo do Distrito Federal (GDF) publicou, em 2 de agosto, o decreto que regulamenta a proibição de sacolas plásticas e disciplina a distribuição e venda de embalagens biodegradáveis ou biocompostáveis em todos os estabelecimentos comerciais da capital.

Segundo Francinaldo Oliveira, secretário-executivo substituto da DF Legal, o valor da multa pode chegar a R$ 50 milhões.

“Haverá a necessidade de fazermos alguns atos normativos internos para poder disciplinar a fiscalização. Como primeiro ato, vamos baixar uma portaria definindo a unidade responsável pela fiscalização, e será editada uma programação fiscal específica onde serão definidos os critérios”, comentou o secretário.

Segundo ele, serão três etapas: trabalhos educativos para conscientizar sobre a necessidade de substituição das sacolas; notificação dos estabelecimentos que não cumprirem a norma, mesmo depois do trabalho educativo; e aplicação de multas.

“[As multas] variam de R$ 5 mil até R$ 50 milhões”, disse Francinaldo.

Por Nathália Cardim e Marc Arnoldi - Metrópoles

Nenhum comentário

Agradecemos pelo comentário.