Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin

Últimas notícias

latest

"Parabéns Anitta, mas não, obrigada"

Texto de Tatiana Poroger Quanta lucidez nesse texto!  Muito bom! Vale a pena ler... "Parabens Anitta, mas não, obrigada Parabéns para A...


Texto de Tatiana Poroger

Quanta lucidez nesse texto! 
Muito bom!
Vale a pena ler...

"Parabens Anitta, mas não, obrigada
Parabéns para Anitta por chegar ao topo do Spotify. Sabemos que ela é uma mulher extremamente batalhadora, com ótimo faro para o sucesso comercial. Minha admiração começa e termina aí.

Não consigo gostar de suas músicas. Também não consigo bater no peito e dizer “nossa que orgulho, ela é brasileira como eu!” pois não vejo valor no conteúdo que ela produz, por mais sucesso que faça. Tampouco consigo comemorar que Anitta seja a inspiração das meninas adolescentes de hoje. Pelo contrário, acho que seja um péssimo exemplo a essa geração.

A música e o clip em questão são de uma vulgaridade sem tamanho. O vídeo se resume a 3 minutos da rainha feminista demonstrando como excitar um homem, utilizando-se de suas nádegas, que ficam amplamente expostas a quem quiser conhecê-las no detalhe.

Não tenho filha mulher, mas se tivesse, tentaria ensinar-lhe a se valorizar, física e intelectualmente, impor respeito e saber ser sensual quando quiser, sem ser vulgar. Mas tenho 3 filhos homens. Tento lhes ensinar que respeitem e valorizem as mulheres e que o envolvimento quando inclui corpo, alma e mente é muito mais significativo e prazeroso para ambos. Músicas como as de Anitta, onde as mulheres se tratam como mero objeto de prazer tornam minha mensagem um tanto conflitante. Em outras palavras, como dizem os meninos dessa geração, estamos “bugando” a cabeça deles, que deve estar girando mais ou menos assim: 
- Meus pais me dizem para tratar as mulheres com respeito, e valorizá-las. Enquanto isso, as meninas estão rebolando a bunda na minha cara ao som de “me chama de vagabunda” “me dá um tapa” e “te faço gozar em 5 minutos”.

Na prática, as que se dizem feministas hoje estão dificultando a vida de quem quer educar a atual geração de forma que meninas se deem o devido valor e rapazes as tratem com mais respeito do que tratavam em gerações anteriores.

Desculpa Anitta, mas não consigo te agradecer por isso.

Também não jogarei a culpa toda em cima da Anitta. Ela é esperta, viu uma oportunidade e não tem o menor pudor em se expor de forma vulgar, assim como tantas outras artistas no Brasil e no mundo. Não tenhamos síndrome de vira lata, desdenhando de um produto ou pessoa só porque é “made in Brazil”. O assunto da Anitta veio à tona por aqui agora pelo motivo óbvio dela ser brasileira, mas a vulgaridade e objetificação da mulher na música não é nem de longe exclusividade de artistas brasileiras.

Por fim, há milhões de mulheres que realmente estão sendo maltratadas mundo afora e precisando desesperadamente de alguém que lute por elas. Exemplos não faltam: na Arábia Saudita mulheres não podem abrir uma conta bancária ou obter passaporte sem um responsável homem, na Somália meninas ainda sofrem mutilação genital, na Índia o tráfico e escravização de mulheres vem crescendo ano a ano e no Brasil, uma mulher é estuprada a cada 10 minutos.

Enquanto isso, o movimento feminista parece estar em busca do “direito” das mulheres se vulgarizarem. Posso ser antiquada, mas isso não me parece uma grande conquista dessa geração. 

Então mais uma vez, parabéns Anitta, pelo sucesso, mas não, obrigada.”

Nenhum comentário