Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin

Últimas notícias

latest

Número de mortos passa de 100 em Petrópolis; oito vítimas são crianças

A cidade na Região Serrana do Rio de Janeiro entra no segundo dia de buscas por sobreviventes após temporal que deixou rastro de destruição


Luciano Belfort - Metrópoles

Alvo de fortes chuvas que causaram deslizamentos e enchentes, a cidade de Petrópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro, vive um “cenário de guerra”, com corpos soterrados e um número de óbitos que aumenta quase que de hora em hora, além de ruas interditadas. Os bombeiros viraram a madrugada e seguem o segundo dia de buscas por desaparecidos nesta quinta-feira (17/2).

Até esta madrugada, foram confirmadas 104 mortes. Entre as vítimas, há pelo menos oito crianças. A quantidade de desaparecidos ainda está sendo contabilizada, mas o cadastro do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), feito até o início da noite de quarta-feira (16/2), indica que ao menos 35 pessoas são procuradas.

Quem conseguiu escapar dos efeitos das mais de seis horas de chuva que tiveram início na tarde de terça-feira (15/2), agora lamenta os conhecidos que estão desaparecidos e contabiliza os prejuízos.

“Entre vizinhos, amigos e conhecidos mais próximos, são 10 pessoas que sumiram, de idosos a crianças. Vemos os corpos serem recolhidos e não sabemos de quem se trata. É muito ruim”, desabafa Tânia Maria dos Santos, de 60 anos.

Moradores do Morro da Oficina relataram cenas de terror durante a forte chuva que atingiu o local. Priscila Martins, de 36 anos, que mora há mais de três décadas na região, diz que nunca tinha presenciado nada semelhante.

“Parecia um terremoto”, relatou ao Metrópoles, e afirmou que duas ex-alunas suas, ambas de 16 anos, desapareceram. “Já sei que a filhinha de uma amiga morreu, ainda tem minhas ex-alunas soterradas.”

Cerca de 400 bombeiros trabalham na região, junto a moradores que atuam como voluntários e ajudam nas escavações.

Ruas irreconhecíveis
O centro da cidade, hoje, não tem seu charme costumeiro, com árvores ao longo dos rasos rios e pontes vermelhas por todos os cantos. Depois do forte temporal, o bairro teve suas praças, como a da Águia, em frente à Câmara dos Vereadores, cobertas por lama.

Em frente ao Museu Imperial, antigo palácio de verão de dom Pedro II, carros batidos em diversas direções foram levados pelas chuvas. Nos rios, incontáveis veículos precisaram ser removidos na tarde de quarta-feira (16/2).

Na casa da princesa Isabel, muros com grades tombaram e um veículo avançou pelo extenso gramado.

O monumento do Obelisco, na Rua do Imperador, também foi atingido. A famosa Rua 16 de Março, conhecida pelas lojas, foi bastante prejudicada, assim como a Rua Teresa, o polo comercial de roupas da cidade. Nos dois locais, comerciantes perderam toda ou quase toda a mercadoria de seus estabelecimentos.

A calmaria do petropolitano deu espaço ao medo, à angústia e à dor. Por bairros como o Alto da Serra, um dos mais atingidos, aparelhos de exercícios físicos foram removidos à força de dentro das academias e se misturam com restos da lataria de alguns carros que estavam pelas ruas.

Calçadas deram espaço a montanhas de lama, sujeiras trazidas pela chuva e por galhos de árvores.

Mais chuvas
A expectativa é que o cenário desolador continue, devido à previsão de mais chuvas para os próximos dias. Para esta quinta-feira, estão previstas pancadas de chuva moderada a ocasionalmente forte a partir da tarde.

Na sexta-feira (18/2), o cenário é ainda mais preocupante: pancadas de chuva forte a ocasionalmente muito forte a partir da tarde. Na terça, em três das seis horas de chuva, o volume já superava a previsão para todo o mês de fevereiro.

Veja mais vídeos do temporal que devastou Petrópolis:




Por Hyndara Freitas e Giulia Ventura do Metrópoles

Nenhum comentário

Agradecemos pelo comentário.