Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin

Últimas notícias

latest

Armazém dos móveis

Banner-armaz-m-dos-m-veis

Parlamentares do DF continuam omissos em acabar com o déficit vacinal em Brasília

Nem mesmo os reiterados pedidos realizados pelo secretário Osnei Okumoto, tem sensibilizado o Ministério da Saúde Enquanto o ritmo da vacina...

Nem mesmo os reiterados pedidos realizados pelo secretário Osnei Okumoto, tem sensibilizado o Ministério da Saúde


Enquanto o ritmo da vacinação contra a Covid-19 segue em ritmo acelerado em alguns estados da federação, a população lamenta o déficit vacinal no Distrito Federal. Para agravar a situação, o desinteresse da bancada federal do DF, composta por 11 parlamentares, entre senadores e deputados federais, além de dois ministros de Estado, é desanimador.

De acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Saúde (SES), em pouco mais de cinco meses, a imunização contra a Covid-19 atendeu 123.794 pessoas de outras cidades que receberam a primeira dose, sendo que 47.862 foram vacinados com a segunda dose.

Se o brasiliense ainda aguarda sua vez para ser vacinado, a Secretaria de Saúde informou os moradores dos cinco estados que mais procuraram o DF. A começar por Goiás (44,99% das doses aplicadas, considerando primeira e segunda dose), Minas Gerais (11,45%), São Paulo (6,60%), Rio de Janeiro (6,14%) e Bahia (4,85%). Aliado a este percentual de vacinas, aplicadas no público de fora, está a pouca demanda do imunizante no DF.

Nem mesmo os reiterados pedidos realizados pelo secretário Osnei Okumoto, tem sensibilizado o Ministério da Saúde, conforme deixou claro o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ao citar a vacinação no DF.

Sem previsão de entrega, a expectativa é pela chegada de 120 mil doses de vacinas, porém ainda que se confirme esse montante não colocará o DF no ranking dos estados que mais imunizam no país.

Se não houver uma mudança de atitude por parte da bancada do DF, a população seguirá apenas sonhando com a vacinação para poder viver com tranquilidade livre do risco de morte pela Covid-19.

Por Francisco Gelielçon
#EstruturalOnLine

Nenhum comentário