Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin
MSP Mercado do Seu Pet

RAÇÃO:PASTEL DOG 25KG ⇒ R$100,00 〉〉〉 BILLY DOG 25KG ⇒ R$110,00 〉〉〉 LOVE DOG 10KG ⇒ R$59,00 〉〉〉 LOVE DOG 25KG ⇒ R$120,00 〉〉〉 BOMGUY CARNE COEX 25KG ⇒ R$155,00 〉〉〉 TITAN 20KG ⇒ R$95,00 〉〉〉 BESSER NATURAL 25KG ⇒ R$150,00 〉〉〉 FANNY DIA A DIA 25KG ⇒ R$150,00 〉〉〉 COLDOG CHIPS 25KG ⇒ R$145,00 〉〉〉 Venha conhecer a loja na QD:03, Conj.10, Loja:21, Str:Norte, Avenida 09 de Julho, Estrutural - DF - Whatsapp (61) 99884-1258

Bolsonaro reafirma que vetará fundo eleitoral de 2022

Valor foi aprovado pelo Congresso na semana passada

© Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro reafirmou na noite desta terça-feira (20) que vetará o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões aprovado pelo Congresso Nacional na semana passada, no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) de 2022.

"Defendemos, acima de tudo, a harmonia entre os Poderes, bem como a sua autonomia. É partindo deste princípio que jogamos, desde o início, dentro das quatro linhas da Constituição Federal. Dito isso, em respeito ao povo brasileiro, vetarei o aumento do fundão eleitoral", escreveu o presidente em postagem na sua conta de Twitter.

Ontem (19), em entrevista exclusiva para a Rádio Nacional, veículo da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o presidente já havia sinalizado a intenção de vetar o valor aprovado pelos parlamentares. “A tendência nossa é não sancionar isso daí em respeito aos trabalhadores, ao contribuinte brasileiro”, disse o presidente. Ele defendeu que o recurso poderia ser melhor aplicado na construção de pontes e construção de malha rodoviária, por exemplo.

O fundo de financiamento de campanha foi criado após a proibição do financiamento privado, em 2015, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), sob o argumento de que as grandes doações empresariais desequilibram a disputa eleitoral. Nas eleições de 2018, o valor reservado para as candidaturas foi R$ 2 bilhões. O veto presidencial, se confirmado, precisará ser analisado pelos congressistas, que podem derrubá-lo. 

Por Pedro Rafael Vilela - Repórter da Agência Brasil - Edição: Claudia Felczak

Nenhum comentário

Agradecemos pelo comentário.