Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin

Últimas notícias

latest

Planaltina é a região do DF onde mais pessoas morreram em decorrência da segunda onda de covid-19

Somente neste domingo (25/04), houve um total de 394 mortes pela doença, e 13.105 pessoas infectadas; Secretaria de Saúde diz que todas as m...

Somente neste domingo (25/04), houve um total de 394 mortes pela doença, e 13.105 pessoas infectadas; Secretaria de Saúde diz que todas as medidas estão sendo adotadas para conter o avanço da doença na região 


Em nota divulgada pela imprensa local, nesta segunda-feira (26/4), a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) explica os motivos que levaram a região administrativa de Planaltina, durante esta segunda onda de covid-19, a registrar os maiores índices de mortes pela doença. Somente neste domingo (25/04), houve um total de 394 mortes pela doença, e 13.105 pessoas infectadas.

Se no ano passado era Ceilândia a região administrativa a ocupar o primeiro lugar neste ranking, atualmente, é Planaltina, que não tem o maior número de casos, mas tem o maior número de óbitos.  
Até o momento, Planaltina só tem 17 leitos de UTI, e todos foram construídos depois da pandemia, antes, não havia nenhum. A cidade também conta com poucos testes, e vacinação tem ocorrido em apenas dois pontos, sendo um na Escola Classe de Vivência e na Unidade de Saúde 05 (UBS 05), no Arapoangas.

“Planaltina conta hoje com 20 unidades básicas de saúde, divididas em UBS tipo I, com funcionamento de segunda a sexta-feira, de 7h às 17h e UBS tipo II, com funcionamento de 7h às 19h, de segunda a sexta-feira e sábado de 7h às 12h. As UBSs tipo I, são aquelas que abrigam de uma a três equipes de Estratégia Saúde da Família, e as tipo II tem a partir de quatro equipes”, informa a SES-DF, em nota.

Informações que constam no boletim epidemiológico, de ontem, aponta que a cada 100 mil moradores de Planaltina, 200 deles morreram em razão da pandemia. A taxa de mortalidade pela doença está em 3%, quando comparada com a quantidade de pessoas infectadas, porcentagem bem maior que a média do DF, que é de 2,1% e do país, que de acordo com o Ministério da Saúde está em 2,5%.

A SES-DF, por sua vez, explica que os casos de mortes não necessariamente são em decorrência da falta de atendimento na região já que 80% da cidade seria coberta pelo programa de saúde da família e que a oferta de testes tem aumentado, inclusive o PCR, que detecta se é covid-19 já nos primeiros sintomas.

“Outras ações também foram implantadas como a Central de transferência de casos, que faz a conexão da transferência de pacientes que necessitam de internação hospitalar, atendidos nas UBS, para as portas de emergência da Região, os hospitais regionais de Sobradinho e Planaltina e a Unidade de Pronto Atendimento de Sobradinho”, diz a nota. 

Por redação Estrutural on-line

Nenhum comentário