HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin
Banner-DFlash

Últimas notícias

latest
Banner-armaz-m-dos-m-veis

Parceria garante manutenção de estradas

Em São Sebastião, moradores compraram 160 toneladas de brita reciclada, enquanto governo entrou com maquinário e mão de obra Uma parceria en...

Em São Sebastião, moradores compraram 160 toneladas de brita reciclada, enquanto governo entrou com maquinário e mão de obra


Uma parceria entre a comunidade, a administração regional e o GDF Presente garante a manutenção das estradas rurais em São Sebastião. As máquinas do programa trabalham no patrolamento das ruas do Morro da Cruz e compactam a terra com uma brita feita a partir de restos de material de construção reciclado adquirido pelas 94 famílias que moram na Chácara 7.

A recuperação das estradas da região é feita há duas semanas pelas máquinas da administração, que, esta semana, recebe reforços do GDF Presente. Desde segunda-feira (7), as equipes trabalham na terraplanagem de uma rua de 600 metros de extensão, adjacente à avenida principal do Morro da Cruz, que tem grande fluxo de veículos, pois é a entrada e saída dos moradores.

A comunidade já comprou 160 toneladas de brita reciclada para ser espalhada na terra, mas calcula que ainda será preciso adquirir mais 15 caminhões, ou 120 toneladas, para que o GDF conclua o trabalho. Cada caminhão custou R$ 280, dinheiro rateado entre a população. “Algumas famílias pagaram o valor de um caminhão, mas as demais contribuíram com o quanto podiam”, conta a autônoma Elaiza Leão Machado, 44 anos.

Segundo ela, a brita custou mais barato porque o administrador de São Sebastião, Alan Valim, emprestou caminhões da administração para buscar o material, adquirido em uma empresa da cidade. “Para eles fazerem a entrega, seria R$ 700”, afirma. A brita é uma tentativa de acabar com a lama e os buracos que se formam pela chuva.

Alan Valim lembra que os moradores da Chácara 7 reclamaram das condições de conservação das vias do Morro da Cruz. “Eu expliquei que até tínhamos máquinas e pessoal, mas não tínhamos material; eles se propuseram a comprar e perguntaram se a gente fazia a compactação”, relata. “A população acredita na nossa gestão e participa dela”.

Agregado britado

A brita adquirida pelos moradores do Morro da Cruz é parecida com o material que, fabricado na Unidade de Recebimento de Entulhos (URE) do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), é utilizado na recuperação de vias sem asfalto nas regiões administrativas do DF.

Todos os dias, pelo menos seis mil toneladas de materiais – pedras, pedaços de tijolos e telhas – são recolhidas e encaminhadas de forma regularizada à URE. Lá, esse volume se transforma em agregados de resíduos, como areia, cascalho de demolição, cascalho de concreto, pedrisco e brita, para depois ser destinado a obras públicas do DF.

De janeiro a outubro deste ano, mais de 19 mil toneladas de agregado britado já foram doadas a 16 administrações regionais e órgãos públicos, como o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e as secretarias de Obras e de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural.

Estragos da chuva

O Polo Leste do GDF Presente também trabalha para consertar os estragos causados pela chuva no Parque de Exposições do Capão Comprido. A força da água derrubou parte do muro do parque e impediu a realização da Feira do Produtor que ocorria ali. O GDF Presente constrói três bacias de contenção das águas da chuva e rebaixou a via lateral esquerda para conter as enchentes. “Estamos trabalhando para reabrir a feira do produtor”, informa o coordenador do polo, Júnior Carvalho.

O programa e a administração regional também fizeram o recolhimento de lixo e entulho na cidade e operações tapa-buracos nas quadras 103 e 102 do Setor Residencial Oeste.

POR GIZELLA RODRIGUES, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: CHICO NETO

Nenhum comentário