Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin

Últimas notícias

latest

Professor de SP é afastado após usar fantasia de Ku Klux Klan

Docente apareceu fantasiado em um evento temático da escola



A Secretaria Estadual da Educação de São Paulo decidiu afastar um professor de história da Escola Estadual Amaral Vagner, em Santo André (SP), após ele aparecer trajado com roupa semelhantes à do grupo supremacista Ku Klux Klan.

A ocasião era uma semana temática da instituição, à qual professores e alunos do 3ª ano puderam ir fantasiados, para participarem do desfile comemorativo.

O professor com a fantasia controversa foi filmado por um dos alunos, e as imagens viralizaram nas redes sociais.

Sob vaias, o docente foi obrigado a tirar a fantasia e prestou pronto esclarecimento à diretoria. Ele foi afastado do cargo pela Secretaria Estadual de Educação.

A Secretaria informou ainda que ele não retornará às funções até que a apuração preliminar termine. A Diretoria de Ensino de Santo André criou uma comissão inter-racial para averiguar o caso.

– Assim que soube do caso, abriu apuração preliminar e afastou imediatamente o professor envolvido, que é efetivo, até o término da apuração – diz a Secretaria em nota.

Na página da coordenação da escola, o diretor e professor Wagner Luiz Bonifácio dos Santos publicou uma carta de retratação, pedindo desculpas a “toda comunidade da escola e também àqueles que possam se sentir ofendidos pelo traje usado por um de nossos professores em tal evento e esclarecemos que não compactuamos com nenhuma manifestação de incitação a discurso de ódio ou permitimos em nossa unidade escolar a apologia de segregação a qualquer tipo grupo étnico, crença, gênero ou classe social”.

O professor afastado se desculpou, dizendo que sua ação foi infeliz e enviou um pedido formal de retratação à escola. No entanto, não foi informado o motivo por que ele escolheu a roupa para participar do evento.

Nas redes sociais, algumas pessoas que afirmam conhecer o tal professor garantem que ele abomina o racismo e que, na realidade, estava fazendo um “trabalho de denúncia”. O próprio professor, por sua vez, ainda não confirmou suas reais intenções com o traje.


Por Monique Mello - Pleno News

Nenhum comentário

Agradecemos pelo comentário.