Page Nav

HIDE

Gradient Skin

Gradient_Skin

Últimas notícias

latest

Ex-Record vira réu de novo por crime de importunação sexual

Acusação foi feita por produtora do programa Domingo Espetacular



Envolvido em um escândalo sexual que resultou em sua demissão da Rede Record, em outubro do ano passado, o repórter Gerson de Souza virou réu em uma segunda acusação de importunação sexual. A denúncia partiu de uma ex-colega de trabalho do programa Domingo Espetacular.

Ainda em agosto de 2020, o Ministério Público denunciou Gerson por importunação sexual a quatro funcionárias da emissora do bispo Edir Macedo. No entanto, apenas uma acusação havia sido aceita pela Justiça.

Agora, após um recurso apresentado pela Promotoria, o Tribunal de Justiça de São Paulo concordou que o jornalista fosse acusado criminalmente por importunar sexualmente uma produtora do Domingo Espetacular.

Na denúncia, a produtora relatou ao Ministério Público que trabalhava diariamente com Gerson. Constantemente, ele dizia a ela coisas como “sua gostosa”, “sua delícia” e “com essa roupa que você está usando, o que vai fazer quando sair daqui?”.

A mulher também contou que, quando chegava à redação, Gerson a cumprimentava com um beijo próximo da boca e que a atitude a deixava com nojo. Ela diz ainda que, diversas vezes, o ex-colega colocava a língua para fora como se estivesse praticando sexo oral.

Em outras ocasiões, segundo a produtora, Gerson apertava seu braço e falava: “Sabe por que eu gosto de apertar essa parte do braço? Parece a pele da bunda, então, é como se eu estivesse apertando a sua bunda”.

Em sua decisão, a desembargadora Fátima Gomes, relatora do caso no TJ, indicou que as práticas descritas pela vítima, “em tese” se enquadram no crime de importunação sexual, previsto no artigo 215-A do Código Penal, e que prevê pena de reclusão de 1 a 5 anos.

Após a abertura do novo processo, Gerson de Souza terá um prazo para apresentar sua defesa. Só então a Justiça irá analisar os relatos e as provas, além de colher depoimentos de testemunhas.

À coluna de Rogério Gentile, do portal Uol, o advogado do repórter, Leonardo Magalhães Avelar, afirmou que irá recorrer da decisão.

Por Gabriela Doria - Pleno News

Nenhum comentário

Agradecemos pelo comentário.